O que os olhos não veem o bolso não sente

Queria postar isso faz um bom tempo, para falar a verdade desde que voltei da Australia[bb]. Qual seria a reação do Brasileiro se todos os impostos[bb] que pagamos ao invés de serem implícito, fossem explícitos? Ta, você deve estar se perguntando, como assim?

Quando fui para a Austrália, notei que toda a loja[bb] apresenta na prateleira dois valores, o valor real do produto, e o valor do imposto que deve ser somado ao produto finalizando em seu preço total. Esse habito, de somar o imposto diariamente seria uma forma muito simples de apresentar para o Brasileiro que ele paga impostos caríssimos e nós sofremos um abuso[bb] grande dos empresários. Por exemplo:

Como vocês podem observar, essa é uma daqueles cupons fiscais que mostram os preços dos produtos após as compras[bb] nas lojas, só que se você parar para notar, é uma nota que traz uma importante diferença por que apresenta claramente o imposto pago nessa compra.

Nesse caso é possível notar exatamente quanto imposto foi gerado ao se tomar um café na 7th avenida no Brooklyn em Nova York[bb]. Lá é aplicada uma taxa de 8,875% em tudo o que é consumido pela população, nesse caso o café custava $2.45 e com a taxa o consumidor pode ver que pagou exatos 0,22cents de dollar através da transparência da nota fiscal. O café no final saiu por $2,67, que com certeza não é um preço exorbitante para um café.

A transparência nessas situações é muito benéfica. No Brasil isso não é inviável, e quem tem conversado com pessoas mais experientes no assunto, já deve ter ouvido o nome de Dilson Funaro, que tentou e foi vetado, de tabelar e regulamentar o preço pelo Brasil inteiro. Penso que o governo em si, não teria problema algum em obrigar o empresário a mostrar a quantidade de imposto que é paga por um produto tanto na prateleira[bb], quanto na nota fiscal. Acredito fortemente, que se isso acontecesse o Brasileiro realmente se assustaria com o preço praticado pelo próprio empresário, e desculpem-me quem já estiver pensando na lei[bb] da oferta e da procura, isso vai alem do meu ponto principal, que é transparência, mas a procura é constante e infinita, sempre as pessoas estarão dispostas a comprar, o que garante que a oferta verdadeira nunca chegue nas mãos dos Brasileiros, somente “ofertas[bb]” exorbitantes que respeitem as regras do cartel em que o Brasileiro foi criado.